Aconteceu!
Um ano novo é muito pouco: precisamos de uma alma nova

Um ano novo é muito pouco: precisamos de uma alma nova

Toda virada de ano é repleta das mesmas coisas: sonhos, projetos, mudanças, enfim, uma busca por uma vida nova. Infelizmente, a maioria das pessoas se preocupa apenas com as coisas exteriores, com os bens que passam: trabalho, dinheiro, sucesso, descanso, viagens, festas, e tanto mais. Poucos são os que aproveitam essa atmosfera de mudança para repensar a vida interior e propor mudanças. Além disso, para a maior parte das pessoas, toda virada de ano é uma grande frustração: os dias passam e a vida continua igual, justamente porque quem precisa mudar somos nós, independente do ano.  É uma triste ilusão e algo bem comum (e imaturo), condicionar as nossas necessidades, projetos, sonhos à fatores exteriores. Assim, se falharmos, a culpa não será nossa.

Mas, afinal de contas, os propósitos de ano novo são ruins? Absolutamente não. Se soubermos aproveitar essa atmosfera de mudança, quanto poderemos fazer! Devemos tomar cuidado com o que nos alerta São Josemaria: “Tu não deves trabalhar por entusiasmo, mas por Amor.” Qualquer propósito de ano novo será sempre em vão e levará à frustração se não tivermos uma vontade firme.

”Se a cada ano extirpássemos um vício, bem depressa seríamos perfeitos.” (Imitação de Cristo)

Essa citação do livro Imitação de Cristo é tão chocante quanto verdadeira. E, mais do que isso, totalmente possível e alcançável! Grande parte das vezes não progredimos espiritualmente porque estamos perdidos em meio a tantos e tantos propósitos. Principalmente na vida familiar, com tempo tão curto, é difícil progredir em muitas coisas ao mesmo tempo. Mas não é impossível! O importante é não estacionar, pois na vida espiritual quem não progride, retrocede.

Então, que tal adotarmos essa proposta de extirpar um defeito ou vício por ano? É uma proposta real, eficaz e que está ao alcance de todos!

O defeito dominante

Após um bom exame de consciência, somos capazes de identificar qual defeito ou vício mais tem atrapalhado a nossa vida e incomodado as outras pessoas. É esse o vício que deve ser corrigido. ”Para combater com eficácia na vida interior devemos conhecer bem o que os autores espirituais chamaram o defeito dominante, o que em cada um tende a prevalecer sobre os outros e, como consequência, se torna presente na forma de opinar, de julgar, de querer e de agir. ” (Pe. Garrigou)

”O demônio é como um leão que ruge ao nosso redor, procurando nos devorar. Com muita inteligência, ele busca, precisamente, nos atacar em nosso ponto fraco. Assim, ele faz a ronda para examinar todas as nossas virtudes teologais, cardeais e morais, e é no ponto em que nos encontra mais fraco, é nesse ponto, que é o mais perigoso para a nossa salvação, que ele nos ataca e tenta nos abater. Como um bom chefe de guerra, ele sabe que uma vez tomado o ponto mais fraco de nossa alma, o menos virtuoso, ele vai se tornar o mestre de todo o resto de nossa alma. Esse ponto mais desprovido de virtude, o mais arruinado pelas nossas más inclinações é justamente o nosso defeito dominante, que é também a raiz, a causa de muitos outros pecados. Esse defeito dominante pode ser muito diverso segundo cada pessoa: o orgulho, a vaidade, a sensualidade, a impureza, a falta de modéstia, o respeito humano, o apego aos bens desse mundo, o apego às honras ou à glória desse mundo. Ele pode ser a preguiça, sobretudo a preguiça espiritual, a falta de espírito sobrenatural, a falta de esperança, a inconstância, o espírito mundano, a cólera, etc…

Para que sejamos vitoriosos nesse combate, é preciso, todavia, seguir o conselho da Igreja. A vitória sobre o nosso defeito dominante não ocorre sem os sofrimentos, sem as cruzes, sem as privações. É impossível vencê-lo sem a mortificação, sem a penitência. Do mesmo modo, sem a oração – sem muita oração – é igualmente impossível vencê-lo e até mesmo começar a batalha, pois é Deus que nos dá a força para combater e é Deus que nos dá, em última instância, a vitória. Sem Ele, mais uma vez, nada podemos fazer. Finalmente, é a caridade, a vontade de servir a Deus, infinitamente bom e amável, que deve nos animar e nos dispor ao combate.  Para não se enganar a respeito de seu próprio defeito dominante, é necessário pedir o auxílio de Deus, para que Ele mostre qual é esse defeito e convém pedir conselho a um padre bom que conheça sua alma.” (Pe. Daniel Pinheiro)

E, não só corrigir o vício/defeito, deve ser feito também a atitude contrária, que é o remédio para a correção. Por exemplo, uma pessoa acostumada a reclamar pode escolher corrigir esse defeito e se esforçar em dar graças a Deus por tudo o que acontecer.

Sugestões de propósitos para o ano de 2018

A seguir, uma lista com sugestões de propósitos de correção:

  • Não reclamar, sendo assim, dando graças a Deus por tudo o que acontecer;
  • Não fofocar, sendo assim, procurando guardar o que penso a respeito do próximo só para mim;
  • Não fazer julgamento temerário, sendo assim, procurando pensar sempre o bem do próximo;
  • Não perder tempo na internet, sendo assim, reservando apenas um horário por dia pra checar o que preciso;
  • Não mentir nem para me desculpar, sendo assim, falando sempre a verdade;
  • Não falar mal do esposo/esposa bem como não expor a vida familiar para os outros, sendo assim, guardando a intimidade de nosso lar;
  • Não passar tanto tempo trabalhando ou em outras coisas, sendo assim, procurando passar mais tempo em família;
  • Não sendo impaciente, sendo assim, procurando sofrer as contrariedades com serenidade e alegria;
  • Não gastar demasiadamente, sendo assim, comprando somente o necessário;
  • Deixar de assistir televisão, sendo assim, usando esse tempo para algo útil como leitura, oração ou tempo em família;
  • Vencer meu mau humor, sendo assim, procurando sorrir e não descontar nas pessoas;
  • Não me irritar com os defeitos alheios, sendo assim, sofrendo os defeitos dos outros e rezando para que a graça de Deus venha e os ajude a mudar;
  • Não sendo orgulhoso, sendo assim, pedindo perdão quando errar;
  • Não ler, assistir ou falar coisas imorais, sendo assim, vivendo a pureza;
  • Não usar moda imodesta e sensual, sendo assim, vestir-me decentemente;
  • Não discutindo por coisas pequenas, sendo assim, relevando bobagens e focando nas coisas boas;
  • Não perder tempo, sendo assim, cumprindo minhas obrigações de cada dia;
  • Não impor minha opinião, sendo assim, aprendendo a ceder;
  • Não tendo inveja, sendo assim, reconhecendo o bem nos outros;
  • Não pecando contra a castidade matrimonial, sendo assim, vivendo o plano de Deus para a sexualidade do casal;
  • Não provocando confusões, sendo assim, guardando a minha língua;
  • Não procurar agradecimento em tudo, sendo assim, fazer as coisas sem esperar retribuição;
  • Não ser preguiçoso, sendo assim, ser generoso e me colocando a disposição das pessoas;
  • Não ser curioso, sendo assim, cuidando dos assuntos de minha própria vida de família;
  • Não me importando com a opinião das pessoas, sendo assim, pensando em agradar somente a Deus.

Sugestões de propósitos espirituais

Além de corrigir um defeito/vício, também podemos inserir um bom propósito relacionado a vida de oração, como:

  • Rezar o terço em família todos os dias;
  • Rezar o Ofício da Imaculada Conceição aos sábados;
  • Assistir mais de uma Missa por semana com a família;
  • Ler o Evangelho do dia com a família;
  • Falar para as pessoas sobre a salvação eterna;
  • Meditar sobre a morte, o céu e o inferno;
  • Não desanimar nas dificuldades;
  • Rezar quando me sentir triste;
  • Estar sempre fazendo algo para o bem da minha alma e dos que amo;
  • Rezar quando tiver uma tentação;
  • Oferecer sacrifícios pelas almas do purgatório;
  • Rezando a Nossa Senhora nas tentações;
  • Oferecer sacrifícios pela pureza e inocência das crianças e jovens;
  • Consagrar-me a Nossa Senhora;
  • Ensinar algo da fé para alguém;
  • Assistir Missa todos os domingos
  • Rezar o Angelus antes das refeições;
  • Rezar a oração das refeições;
  • Ensinar os filhos a rezar;
  • Abençoar os filhos antes de dormir;
  • Fazer leitura espiritual (tratados de espiritualidade, vida dos santos,…);
  • Fazer leitura formativa (estudar sobre algum tema referente a nossa fé);
  • Fazer alguns minutos de meditação por dia (do Santo Evangelho ou usando algum livro);
  • Confessar-se uma vez por mês;
  • Participar da vida paroquial;
  • Rezar pelas vocações;
  • Visitar asilos, orfanatos, hospitais;
  • Ajudar financeiramente algum instituto religioso;
  • Rezar diariamente pelos filhos e esposo (a);
  • Buscar uma vida interior na presença de Deus

A vida passa extraordinariamente depressa e precisamos urgentemente daquela ”determinada determinação” de que Santa Teresa tanto nos fala. Se tivermos sempre em mente que ”O Reino dos céus é arrebatado à força e são os violentos que o conquistam”, não teremos dificuldade de combater o bom combate e esforçar-nos, até o sangue, para alcançar a santidade. E, principalmente, se ainda não é pelo amor que buscamos agradar ao bom Deus, ao menos que meditemos todos os dias o momento do nosso julgamento, onde estaremos diante do Justo Juiz. Certamente o temor nos dará bons empurrões!

 

Fonte: <http://lirioentreespinhos.com.br/um-ano-novo-e-muito-pouco-precisamos-de-uma-alma-nova/>

Deixe um comentÁrio

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

Scroll To Top