Aconteceu!

O verdadeiro amor é concreto e se comunica, diz Papa

Na homilia de hoje, Francisco explicou os critérios do amor verdadeiro, que está mais nas obras que nas palavras

Da Redação, com Rádio Vaticano

Francisco explica como identificar o verdadeiro amor: este é marcado pela concretude e pela comunicação / Foto: L'Osservatore Romano

Francisco explica como identificar o verdadeiro amor: este é marcado pela concretude e pela comunicação / Foto: L’Osservatore Romano

Na Missa desta quinta-feira, 7, na Casa Santa Marta, o Papa Francisco centralizou sua homilia nos critérios do verdadeiro amor, que deve ser concreto e se comunicar. Ele ressaltou que mesmo os monges e as monjas de clausura não se isolam, mas comunicam e muito.

A reflexão sobre o amor surgiu do Evangelho do dia, em que Jesus pede que permaneçam em seu amor. O Santo Padre explicou que há dois critérios que ajudam a distinguir o verdadeiro amor do não-verdadeiro. O primeiro é que o amor está mais nos fatos que nas palavras, não é um “amor de telenovela”, uma “fantasia”.

“O verdadeiro amor é concreto, está nas obras, é um amor constante. Não é um simples entusiasmo. Também, tantas vezes é um amor doloroso: pensemos no amor de Jesus levando a cruz. Mas as obras do amor são aquelas que Jesus nos ensina no trecho do capítulo 25 de São Mateus. Quem ama faz isso: o protocolo do julgamento. Tive fome, destes-me de comer etc. Concretude. Também as bem-aventuranças, que são o ‘programa pastoral’ de Jesus, são concretas.

Francisco lembrou que uma das primeiras heresias do Cristianismo foi aquela do pensamento gnóstico, que falava de um Deus distante e não havia concretude. Em vez disso, amor do Pai foi concreto, ele enviou o Seu Filho feito carne para salvar a humanidade.

Comunicação

O segundo critério do amor, mencionou o Papa, é que ele se comunica, não permanece isolado. O amor dá a si mesmo e recebe, faz aquela comunicação que é entre o Pai e o Filho.

“Não há amor sem comunicar-se, não há amor isolado. Mas alguém de vocês pode me perguntar: ‘Padre, os monges e as monjas de clausura são isolados?’. Eles se comunicam e tanto com o Senhor, também com aqueles que vão para encontrar uma palavra de Deus. O verdadeiro amor não pode se isolar. Se está isolado, não é amor. É uma forma espiritualista de egoísmo, de permanecer fechado em si mesmo, buscando o próprio bem. É egoísmo”.

Permanecer no amor de Jesus significa, então, “fazer” e ter a coragem de se comunicar, de dialogar, seja com Deus, seja com os irmãos, disse o Papa. Ele fez a ressalva de que essa é uma tarefa difícil, porque o egoísmo atrai o homem para que não faça e não se comunique.

O Santo Padre concluiu a homilia com esta oração: “Que o Senhor nos dê a graça da alegria, aquela alegria que o mundo não pode dar”.

Fonte: Canção Nova

Deixe um comentÁrio

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

Scroll To Top
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com