Aconteceu!

Liberdade religiosa é prioridade para Igreja, diz cardeal

Em Roma, o cardeal Pietro Parolin destacou o compromisso da Igreja em promover a liberdade religiosa

Da redação, com Rádio Vaticano

cardeal_pietro_parolin_vati

Cardeal Pietro Parolin / Foto: Arquivo

O Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, afirmou nesta terça-feira, 23, que a Santa Sé considera a promoção da liberdade religiosa uma prioridade de seus compromissos internacionais. A declaração foi dada no encontro pelos 40 anos do Ato final de Helsinque, na Sala Zuccari do Senado Italiano, em Roma.

O Ato final da Conferência sobre a Segurança e a Cooperação da Europa foi assinado, em Helsinque, na Finlândia, em 1° de agosto de 1975. É uma declaração sobre os princípios que regulam as relações mútuas dos estados participantes, como o respeito dos direitos do homem e das liberdades fundamentais, incluindo a liberdade de pensamento, de consciência, de religião ou de convicção.

Os trabalhos foram abertos pelo Presidente do Senado, Pietro Grasso. Depois de explicar o que a Conferência de Helsinque representou para a Santa Sé, o cardeal Parolin ressaltou que ainda hoje a liberdade religiosa não é ameaçada “somente nos países totalitários, mas também nos Estados que, definindo-se neutros, excluem toda expressão religiosa da vida pública”.

“A Santa Sé não cessa de lembrar à comunidade internacional a necessidade de combater a intolerância e a discriminação contra os cristãos com a mesma determinação com a qual luta contra o ódio em relação aos membros de outras comunidades religiosas”, disse o cardeal.

Segundo o Secretário de Estado, a liberdade religiosa e os direitos humanos estão na base da paz e da estabilidade na Europa. “Se o diálogo é o instrumento para alcançar a paz, a tutela dos direitos humanos é a garantia para conservá-la”, observou. Dom Parolin recordou também os “direitos fundamentais dos imigrantes, cujo status de estrangeiros, não cancela a sua identidade como membros da mesma família humana”.

“Onde a liberdade religiosa é promovida se tutela o bem comum de todos os cidadãos, fiéis e não fiéis, e se colocam as bases para uma ação inclusiva que não transcure os pobres, os últimos, as minorias e as periferias”, sublinhou.

O Cardeal Parolin concluiu o seu discurso retomando as palavras de São João Paulo II por ocasião de sua viagem apostólica à Finlândia, em 1989: “Na nobre tarefa de levar a termo o processo de Helsinque, a Igreja Católica não deixará de estar ao lado de vocês, naquela maneira discreta que caracteriza a sua missão religiosa. Ela está convencida da validade do ideal encarnado aqui 14 anos atrás num documento que para milhões de europeus é mais do que um documento final: é um ato de esperança”, disse Karol Wojtyla.

Fonte: Canção Nova

Deixe um comentÁrio

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios *

*

Scroll To Top
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com